Onde eu sou as ondas, você é a pedra.

Você permanece imóvel e me permite mergulhar

e mergulhar

e mergulhar

até eu quase me afogar.

EU ME SINTO COMO

MEDUSA

QUANDO VOCÊ

ME OLHA ASSIM.

VOCÊ REVERTE

À PEDRA

E SOU LANÇADA

DE NOVO AO MAR

COMO UMA SIRENE

QUE AGUARDA

UM NAVIO A NAUFRAGAR.

EU TRANSBORDO

E EU QUEIMO 

COMO MAGMA

DA TERRA.

Eu não sou a donzela,

eu sou o próprio dragão. 

EU FAÇO MINHA CASA

NA PROFUNDEZA DAS ÁGUAS ESCURAS

E ERGO-ME

EXPELINDO UM FOGO

TÃO PODEROSO,

QUE TRANSFORMA SUA ARMADURA

EM CINZAS.

escrita transbordada por Lara Carvalho

em Salvador, Bahia, 2016.

ilustrado para web por Lara Carvalho,

em Salvador, Bahia, 2020.

CRÉDITOS: [listar outros créditos aqui]